Desmonte da Seduh: GDF recua, mas mantém nomeações políticas na área técnica da Gestão Urbana

O Governo do Distrito Federal tornou “sem efeito” hoje (16) as exonerações de dois – de um total de sete – arquitetos da Secretaria Estado de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh). O recuo veio a partir de mobilização contrária da categoria, que entendeu se tratar de parte de um desmonte das políticas urbanas de Estado. Uma vitória dos arquitetos e urbanistas.

Alguns dos cargos passariam a ser ocupados por agentes públicos sem formação ou experiência na área. O Sindicato publicou uma Nota Oficial, conclamando à mobilização contra mais este arbítrio da presente gestão. Restam outras exonerações mantidas, em todo caso, inclusive na sensível Coordenação de Gestão Urbana, responsável pela Lei de Uso e Ocupação do Solo (LUOS).

A categoria manterá a mobilização até que sejam revertidas todas as exonerações arbitrárias de arquitetos e urbanistas da Secretaria.

São cargos tradicionalmente ocupados por servidores do quadro do GDF. Mais que uma questão meramente corporativa, a manutenção desses técnicos em posições de direção garante a memória administrativa, o interesse público na inclusão social e preservação do Plano Piloto como patrimônio cultural da humanidade.